Projeto Marco ZERO

sábado, 22 de maio de 2010

Limbo

Os dois melhores jeitos de saber que você está vivo são:

  • quando a alegria invade sua alma e transborda como uma tina que é pequena demais para sua sede
  • quando uma dor é tão grande que parece que rasga sua alma ao meio, independênte se a dor é física ou espiritual

Assim temos em vida o Paraíso e o Inferno, aqui na Terra mesmo, hora estamos no Paraíso, hora estamos no Inferno. Mas e quando não estamos nem lá e nem cá? Onde estamos?

E venha a nós o Limbo. Limbo este que tanta gente nega. Lugares estes que achamos que é preciso morrer para conhecer. Não percebemos que tudo está aqui a nossa volta. Que em um mesmo dia somos capazes de acordar no Limbo, sair para trabalhar, perceber o Inferno em que nos encontramos, e ao voltar para a casa a noite encontrar pessoas amadas e dormir no Paraíso.

Mas quando estamos no Limbo não sentimos nada, vivemos uma anti-vida, não estamos mortos e nem vivos, vagamos zumbis empurrados por uma multidão que é empurrada pelo Tempo. E fico observando pela janela de minh'alma essa multidão, tantas e tantas pessoas que há muito não visitam nem o Inferno e nem o Paraíso.

Presas à rotina já não sabem mais porque vivem. Caminham porque um dia lhes disseram para caminhar. Andam para frente porque para trás não dá mais.












Há pouco tempo, eu mesmo passei 6 meses no Limbo, me lembro pouco do que fiz, mas lembro de como me senti. Ou melhor, do que não senti, simplesmente não sentia nada, nem o vazio me incomodava mais. Com os olhos apagados, movimentos mecânicos, todos me viam, mas eu não via ninguém. A mente funcionava, a alma não!

Veja que não quero confundi-los, não significa que só porque você não está no Paraíso e nem no Inferno signifique que você esteja no Limbo. Não! A Terra existe, você está aqui presente, você vive! O Limbo, assim como o Paraíso e o Inferno é um estado de espírito além do Viver.

A ultima dica que dou é que não é possível pegar alguém, que caminha no Limbo, pelo braço e tira-lo de lá. Não, isso não é possível. Mas você pode ser um sinaleiro, um farol, que ilumina o caminho, guia seus passos e o tira desta correnteza. E tenho certeza que você sabe como se chama esta luz...

domingo, 9 de maio de 2010

Devaneios

E quando tudo acabar?
Serei luz?
Serei pó?

Ajudar agora.
E a recompensa?
Espero ?
Não, não espero!

Brisa de outono.
Sol. Pôr-do-sol.
Esperança?
Eu acredito que pode melhorar.

Eu sou sua luz.
Meu anjo não tem asas.
Mas eu estou aqui. Ao seu lado.
Amparando-te.
Segurando sua mão.
Acreditando.
É possível.

Vamos voar.



Escrito por: Maria Rita Piratelli
Twitter: @meninacomsono

PS.:
Estou pensando sériamente em transformar os textos da MR em uma participação mensal no meu blog. hehehe

terça-feira, 4 de maio de 2010

Consciência sobre si mesmo

A maior aventura que todo ser humano tem que enfrentar mais ou menos dia é a busca pela felicidade. Quando damos conta que nos falta algo que um dia foi retirado de nós enquanto ainda eramos pequenos inocentes, nos damos conta que devemos ingressar em uma jornada buscando preencher algo que não sabemos exatamente o que é, mas que faz falta.

Fato concreto que para algumas pessoas a ficha tarda a cair ou nunca caí. Já raras são as pessoas que nunca se desprenderam de sua felicidade, fazendo a jornada ser desnecessária. Para a maioria, é hora de caminhar.

A busca pela felicidade incia-se sempre com uma marcha sem rumo. Cambaleantes as pessoas quicam de canto em canto, fuçam aqui e acolá, procuram o impossível, acham de tudo que não serve pra nada. Existem pessoas que caminham cegas em direção ao abismo, já outras correm de cabeça baixa contra uma parede. Se machucam, tropeçam, caem, ferem o corpo e a alma até um dia que são obrigadas a parar e se perguntar "O que mesmo estou procurando? Em busca do que estou indo?".

Não pensem que se estou aqui escrevendo este texto significa que eu já acabei a minha jornada. Não, não creio que está seja uma jornada com um fim, com um troféu nos esperando. Mas a busca em si vai trazer o que você procura. Basta procurar do jeito certo, a coisa certa, nos lugares certos. E acho que sobre isso eu posso falar.

• Dos lugares onde não devemos procurar

Existem dois lugares que devemos descartar logo de cara pois a felicidade não está lá. Estes são o passado e o futuro. Não importa se você foi feliz um dia no passado, se você não está feliz agora, não é lá que você irá encontrar a felicidade, pois aquele momento já passou, você não poderá resgata-lo.

E quem espera ser feliz amanhã perde a chance de ser feliz hoje, muitas pessoas não percebem que precisam parar de tentar ser felizes. Quem tenta fracassa, quem quer consegue, e se quiser consegue agora. Não seja vítima da procrastinação (para saber mais sobre ser vítima da procrastinação leia o blog da Exoticlic).

• Das coisas que não devemos procurar

Você já deve ter ouvido que felicidade não se compra né!? E está certo, felicidade não é algo palpável. Não que algumas coisas materiais, algumas aquisições ou conquistas não irão ter deixar alegre ou feliz. Mas perceba que basear sua felicidade nisto é como por combustível na vida. Você sempre precisará de mais conforme for acabando o combustível. Você nunca será completamente feliz, pois toda vez que a felicidade acaba você precisará comprar mais e mais.

• Das pessoas que não devemos procurar

Aqui vai a questão mais importante, a quem não devemos procurar, perceba que se a felicidade é sua, ela é de sua responsabilidade e de mais ninguém, garanto que você não irá encontrar em ninguém a felicidade. A felicidade nunca lhe foi roubada, você a perdeu e só não sabe onde encontrá-la, ninguém a roubou e ninguém a achou caída no chão.

E também nunca se baseie na felicidade de ninguém, ela com certeza não é igual a sua. Felicidade é igual impressão digital, cada uma tem a sua e não é igual a de ninguém. Você pode até tentar se encaixar na felicidade de alguém, mas ela não é sua, você irá se sentir desconfortável muitas vezes pois você está usando algo que não é seu, que não lhe pertence.

• O que você deve saber para procurar a felicidade

E então chegamos ao ápice de tudo isto, você nasceu feliz e em algum momento perdeu esta felicidade, e agora? Onde ela está? A felicidade está no local mais improvável, no lugar mais intrigante, está em um lugar que você nunca irá admitir que está. A felicidade perdida está dentro de você, ela está lá, acredite. Mas conforme você foi vivenciando o mundo, esqueceu de vivenciar a si mesmo. Você perde a consciência de si.

Sair para o mundo é tentador, é fácil, é sedutor, é irresistível. Porém encontrar o caminho de volta não é fácil, e o único jeito de ser feliz é conhecer a si mesmo, não há outro jeito.


• Consciência sobre si mesmo

Agora, você que procura a felicidade, precisa criar consciência sobre si mesmo, porém isso parece tão vago e simbólico que chega a ser inatingível. Você irá sentir que toda vez que tentar irá falhar. Mas por que tenta o extraordinário quando a vida é tão simples?

Tente descobrir-se. Você tem fé? Qual o tamanho da sua fé? Você tem religião? Você confia na sua religião?

Você sabe qual sua comida preferida? Você prefere doce ou salgado? Qual sua sobremesa favorita? Você já parou para prestar atenção ao sabor das coisas?

O que você mais gosta no seu corpo? O que você não gosta? O que te incomoda no seu corpo? Você já parou para reparar nele? Você sente-se a vontade com sexo?

Com quais tipos de pessoas você anda? Com quais se identifica? O seu jeito te incomoda a ponto de querer mudar? Você se sente a vontade com seu jeito?

Você ama? Você se apaixona? Você tem muitos ou poucos amigos?

Então você, aventureiro iluminado, que decidiu iniciar sua jornada em busca da felicidade, deve primeiro saber quem você é, deve primeiro ter plena consciência sobre si mesmo para depois saber o que procurar. Saiba que toda mudança começa de dentro para fora. Só depende de você ser feliz. E nunca duvide da sua capacidade, Deus te deu tudo que precisa para ser feliz, faça bom uso disso, não desperdice.

[escrito ao som da trilha sonora de Alice no país das maravilhas]