Projeto Marco ZERO

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Falando sobre o Criador


As vezes fico com a conciência pesada pensando em quantos momentos de desespero eu pensei em Deus. E me pergunto se é só neste momento que dou valor às coisas que ele faz...

Sim eu acredito em Deus e acredito que ele faça coisas por nós. Orgulho-me por ser cristão. Sei que não sou um bom católico. Se vocês prestarem bem atenção eu não sou católico como eu já postei há 2 anos atras no post Não Praticante, mas estamos aí, sempre lutando contra a correnteza.

Torno também a dizer que somos frutos de nossas escolhas, assim não culpe Deus por tudo, aceite os caminhos que você mesmo escolheu. Aceite o fardo em teus ombros, pois ele não é mais pesado do que você pode aguentar. Alias se algum dia o fardo for tão pesado que fique impossível aguentar, acredito então que Deus fará o que for possível para lhe ajudar, tanto pessoalmente quanto através de um dos teus anjos.

Sim, ou melhor, Amém, anjos existem. Por que todos acham que Deus tem que ser melhor que David Copperfield ou que Mr. M? Não! Deus não precisa de mágica ou de feitiços. Suas manifestações podem ser lógicas, físicas, químicas, biológicas, matemáticas, racionais. Quando o fardo é tão grande que você não consegue aguentar, Deus envia seus anjos para te ajudar. E quem são esses anjos? São seus amigos, sua família, ou até mesmo pessoas desconhecidas que aparecem assim, em uma trombada dentro do ônibus. Provavelmente nunca aparecerão X-Mens com asas de passaros trajando togas brancas. Sempre aparecerão os amigos.

Repudiar ou brigar com os anjos que foram colocados em sua vida fará só as coisas piorarem. Deus ajuda, mas só quem quer ser ajudado. Você precisa aceitar o carinho dos outros. E as vezes precisa ouvir as verdades que eles tem para lhe dizer. Embora estas verdades as vezes doam, elas vão cicatrizar e você será uma pessoa nova no futuro, graças à esta ajuda divina. Se você não aceitar a ajuda, as feridas vão cicatrizar assim mesmo, mas vai demorar mais e pode se tornar uma marca profunda que você nunca esquecerá.

Poucos me entendem, mas me conforma acreditar que Deus não é mesquinho, não é rancoroso, não é vingativo e nem fica tão distante de nós quanto às religiões por aí pregam. E acredito dentro do meu mais profundo EU que é mais fácil eu conversar com Deus quando estou só em meu quarto, cara-a-cara com Ele, do que por intermédio de um homem de batina ou um que fique berrando em um microfone de terno em frente à uma camera de TV.

Muitas vezes notei que estas pessoas que regem estes grandes salões de oração quiseram que eu sentisse medo de Deus, que eu mais o temesse do que adorasse, assim não cometeria atos que eles pregavam ser errados, mesmo que não me explicassem por que era errado ou que eu concordasse com aquilo.

Acredito ainda que quando Deus nos deu o livre arbítrio ele não planejava nos punir criando regras duras e difíceis de serem seguindas. E sim, ele panejava nos ensinar a partir de nosso erros e falhas. Quem pune não ensina, e quem ensina não pune.

Vou além ao crer em Deus, pois se é uma entidade pensante, onisciente, onipresente, onipotente, infinita e benevolente. Creio também que tenha além de tudo um gigantesco bom humor, não acham?

No final, falar de Deus hoje é tudo que me resta, pois como sempre, em momentos de aperto penso mais Nele do que o normal, não que eu O esqueça, mas estes ultimos meses Ele vem me acompanhando de perto e eu precisando Dele e de seus anjos mais que normalmente.


BÔNUS DE HOJE: por incrível que pareça este post surgir do microblog do @OCriador e posteriormente lendo o site do mesmo autor SAC Divino. Não tem nada haver uma coisa com a outra, mas serviu para descontrair meus pensamentos e libertar minhas idéias.