Projeto Marco ZERO

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Rotina

"Rotina é rotina, até mesmo quando não é!"

Acho que tentamos ser naturais até mesmo quando tudo está diferente, é a nossa necessidade de ser forte diante de situações que são novas, que nos causam medo.

Na verdade quando eu falo nós eu realmente quero dizer EU. Não sei a opinião dos outros, gosto de observar o comportamente humano, mas não sei se o que sei realmente é certo.

É certo que temos medo de ter medo, medo de parecer fraco, mas as vezes precisamos admitir o medo para podermos pedir ajuda e para que possam nos ajudar, pois se não admitirmos o problema nós não conseguirmos permitir que outras pessoas nos ajudem.

Também vejo a rotina como um quebra-cabeça, na verdade como vários quebra-cabeças, veja que existem peças que não se encaixam e que por mais que você tente ela simplesmente não se encaixa... As vezes isso ocorre porque está na posição errada, outras vezes porque não é deste quebra-cabeça.

Tem pessoas que acham que a rotina é um ciclo, que a vida é um ciclo, e que tudo fica indo e voltando, num massante balé com rodopios rápidos e lentos, tudo é sempre igual, tudo se repete, cada dia é o mesmo dia, cada fim de semana é o mesmo fim de semana. Assim toda segunda é segunda, todo dia 5 é o mesmo dia 5.

Observo frases de segundas-feiras "e vamos começar a semana tudo de novo". Como assim tudo de novo? Caramba, se eu tiver que reviver a semana passada eu vou é ficar em casa, fazendo porra nenhuma, já fiz o que tinha que fazer, por que fazer de novo?

Já os mais trágicos falam no primeiro dia do ano "amanha começa mais um ano", com aquele ar pesado de derrota. Não acho que seja "mais um ano", não consigo ficar restrito a estes ciclos que dão a idéia que fazemos sempre as mesmas coisas, não posso ter medo de fazer todo dia diferente, toda semana diferente, todo ano diferente, por mais que ele teime em ser igual.

Quem se prende à rotina ou perdeu o fio da meada ou tem medo de enfrentar um mundo que não conhece... Eu já me perdi, mas me encontrei. Eu tive medo, mas hoje luto com ele todo dia.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Não sou!

As vezes, quando observo o lado de fora, ainda fico impressionado como na verdade não somos nem ser e nem essência aos olhos dos outros, por mais que o tempo passe, somo apenas fatos. Somos fatos verdades, fatos mentiras, fatos surreais, fatos contados, contos fatiados.

Percebo que até nos mesmos esquecemos quem somos e começamos a acreditar que somos de fato o fato fatídico de nossos atos.

E não é só isso, queremos ser SER e ESSÊNCIA, mas nosso espírito cego não permite que vejamos os seres e essências que existêm por aí, então como podemos ser se não vemos o que os outros são?

Caímos então na cilada da vida, onde queremos para nós o que não podemos dar ao próximo.

- Que levantem a mão quem não se sentem como eu!

Na verdade nunca liguei em ser apenas os fatos sobre mim, até me orgulhei disso por um tempo. Mas agora preciso SER, necessito SER, para que as coisas que acredito agora façam sentido.

Deixo os meus fatos de lado, deixo minha história contada de lado, jogo tudo para trás, no fundo do baú. E neste momento, querendo ser apenas o que sou, só me interessa quem as pessoas são e não mais os fatos que as rodeiam...

terça-feira, 16 de junho de 2009

Doce Novembro

Estava eu estes dias lembrando deste filme, o qual achei muito interessante e me coloquei a pensar sobre a vida, o universo e tuuuuudo mais, e percebo que antigamente, quando eu estava em algum lugar, com alguém ou com algumas pessoas, eu nunca estava lá de corpo e mente, sempre estava pela metade, pensando em algo ou outro alguém. Sempre me faltava algo, mesmo quando eu não sabia o que era esse algo.

Lembro ainda que este "antigamente" era há pouco mais de 1 mês atras, tão recente e tão distante. Eu vivia em um vôo sem destino, enquanto meu corpo sempre tinha destinos certos. Assim nunca vivi meu sonho e muito menos meus momentos, eu estava preso no limbo, no purgatório de minha vida, não estava nem no céu e nem no inferno. E o pior de tudo, todos os meus fantasmas estava lá comigo, me atormentando e fazendo com que eu esquecesse de quem sou.

Mas, nas peripécias do destino, uma tempestade chegou e abalou todo o universo, e a turbulência desviou a rota da minha mente e do meu corpo, fazendo com que se chocassem, tirando os 2 do seu destino, e ao mesmo tempo unindo ambos para um novo lugar.

Doce Novembro, pensando assim, e se pudessemos dedicar 1 mês, inteiramente de corpo e alma, à alguém que precise de nós, se hoje eu começasse a fazer isso, e SE eu vivesse até os 75 anos então eu poderia me dedicar à mais ou menos 550 pessoas durante toda minha vida. Mas eu estaria lá sempre de corpo e alma, vivendo verdadeiramente cada minuto.

Eu sei, isso não é possível, muitas vezes estamos entre amigos, muitas vezes as pessoas precisam de nós do nada, no meio da noite, apenas para escutar sua voz. Outras vezes somos nós que precisamos ser socorridos, hora por alguém amado, hora por qualquer pessoa que nos ouça.

E quando nos apaixonamos então, ah!!!! As borboletas no estomago, a necessidade de saber como a pessoa está a cada segundo, a saudade que bate cada instante longe da pessoa, e assim 1 mês seria pouco tempo, muitas vezes 1 ano é pouco tempo, e, para aquelas paixões que atravessam vidas, a eternidade é pouco tempo para ficar junto. Não conseguiriamos nos dedicar a uma pessoa que gostamos apenas por 1 mês. Queremos mais.

Lembro também das reuniões de amigos e família, veja que nesses momentos temos a chance de nos dedicarmos por inteiro à varias pessoas de uma só vez, basta estarmos presente em sintonia com as pessoas à nossa volta.

Enfim hoje estou aqui para passar esta idéia que martela minha mente há alguns dias, em que não posso estar em dois lugares ao mesmo tempo, não posso ser duas pessoas ao mesmo tempo, eu preciso estar onde meu corpo está, pois é lá que precisam de mim naquele momento, pois é lá que o destino me colocou, seja para rir ou para chorar, as vezes apenas para ficar lá, olhando para o nada.

Hoje eu sei, eu estou EXATAMENTE onde eu deveria estar, e é aqui que vou ficar de corpo e alma, e aqueles que estiverem a minha volta eu terei comigo em meu coração.

"a distância nada mais é que fruto de nossa imaginação"

terça-feira, 2 de junho de 2009

Mamma Mia!

Mamma Mia! não é mais um daqueles musicais boçais, com atores com um vozerão impressionante que param tudo que estão fazendo para introduzir um dialogo chato cantado no meio.

Mamma Mia! é um filme dinâmico, divertido, romantico e interessante, ele consegue reunir além destes fatores citados acima angustia, trama, praticamente um filme completo e com atores consagrados.

Além de tudo esse musical é baseado nas canções do grupo Abba, que para quem conhece, sabe a qualidade das musicas. Bem eu sempre fui um grande fã.

Acho que todos na vida tivemos um ou dois amores de verão, e para muitos estes amores duram até hoje né!?